A Defesa Civil registrou o aumento de famílias que precisaram sair das residências em virtude de deslizamentos em encostas, ocasionados com o período de chuvas, principalmente com o temporal da tarde de segunda-feira (27). Até as 15 horas desta terça-feira (28) já totalizava cinco famílias desabrigadas e quatro desalojadas, na Vila Maruim e nos bairros Porto, Cacique, Ayrton Senna, Vitória e Bom Sucesso. No início da manhã, o número era de três famílias desabrigadas e duas desalojadas. As equipes seguiam em campo e a perspectiva era de que esse número aumentasse.

As equipes da Defesa Civil Municipal e da Secretaria de Assistência Social fazem o levantamento das famílias afetadas com as consequências das chuvas. Foto: Wellington Prado/TC Digital

A secretária de Assistência Social, Marinalva Broedel relata que entre as famílias desabrigadas ou desalojadas, quatro estão com o processo para receber aluguel social quase concluído. “Outras preferiram seguir para casas de familiares”, detalha. Uma reunião foi realizada na tarde desta terça-feira (28), no Centro Administrativo da Prefeitura, com a presença de secretários municipais e do comandante do Corpo de Bombeiros em São Mateus, major Cristiano Sartório, além dos vereadores Francisco Amaro, Jaciara Teixeira, Aquiles Moreira e Antônio Luiz Cardoso, o Temperinho.

Leia também:   Casagrande pede e Exército e Marinha estarão nas ruas; ferrovia é fechada
Uma reunião foi realizada na tarde desta terça-feira (17), no Centro Administrativo da Prefeitura de São Mateus. Foto: Wellington Prado/TC Digital

Cada secretaria municipal ficou com a incumbência de produzir relatórios dos problemas registrados com a chuva, para embasar Decreto de Situação de Emergência, a ser assinado pelo prefeito Daniel Santana. Coordenadora da Defesa Civil, Verônica Otto Drummond de Andrade frisou que o objetivo era de que o documento fosse assinado ainda nesta terça-feira (28).

Todos os problemas registrados em consequência do período chuvoso vai embasar o Decreto de Situação de Emergência. Foto: Wellington Prado/TC Digital

“Chegou num ponto que o Município não consegue sanar sozinho as ações de respostas. Então, a gente precisa de uma ajuda maior do Estado e até Federal” – disse a coordenadora da Defesa Civil, Verônica, argumentando o motivo do Decreto de Situação de Emergência a ser assinado.  Deslizamentos, famílias desabrigadas e desalojadas, alagamentos, escolas e vias danificadas serão inseridos para embasar o documento. A Assessoria de Comunicação da Prefeitura acrescentou que o prefeito Daniel Santana determinou que todas as secretarias atendam imediatamente os chamados da Defesa Civil.

Bombeiros sem registro de feridos

São Mateus – Comandante da 1ª Companhia Independente do Corpo de Bombeiros, major Cristiano Sartório esteve presente na reunião e disse que a corporação não registrou salvamentos e resgates de pessoas, em decorrência das chuvas. Contudo, ele percorreu áreas de deslizamentos e apontou locais de risco.

Leia também:   Casagrande prepara decreto de calamidade pública e vai endurecer fiscalização no comércio
O Corpo de Bombeiros também monitora as áreas de risco de deslizamentos em encostas. Foto: Wellington Prado/TC Digital

Sobre o Rio Cricaré, o major ressalta que não tem perspectiva de inundação. Coordenadora da Defesa Civil, Verônica Otto Drumond de Andrade detalha que a mediação realizada na manhã desta terça-feira (28) registrou que o nível está dentro da faixa de normalidade, de 60 centímetros da régua. Ela explica que a água do rio começa atingir as casas quando ultrapassa dois metros na régua de medição.

LEIA TAMBÉM: Secretário preocupado com o início das aulas em São Mateus

LEIA TAMBÉM: CHUVAS: São Mateus deve decretar situação de emergência

LEIA TAMBÉM: Três famílias desabrigadas e duas desalojadas após temporal em São Mateus

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here