JULIANNE CERASOLI
SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) – O hexacampeão Lewis Hamilton superou um susto no Q2, quando rodou na pista e causou uma bandeira vermelha no treino classificatório, e garantiu neste sábado (1º) a pole position para o GP da Grã-Bretanha, em Silverstone. O piloto da Mercedes fez o tempo de 1min24s303 e bateu o colega de equipe Valtteri Bottas por 0s313 para largar na primeira posição da corrida de amanhã. A prova acontece às 10h10 (de Brasília).

Com mais de 1 segundo de diferença para Hamilton, a segunda fila ficou com Max Verstappen, da Red Bull, que fez o terceiro melhor tempo, e Charles Leclerc, da Ferrari, em quarto. Já Sebastian Vettel, também da Ferrari, foi o mais lento do Q3 e vai largar apenas em décimo (veja o grid completo com os tempos abaixo).

“Mudei o carro depois do último treino e o carro piorou”, disse Hamilton após fazer a pole. “Classificação é confiança, e tive aquela rodada… tive que me recompor”, completou o inglês.

Voltando ao cockpit de um carro de F-1 depois de oito meses após ser chamado às pressas para substituir Sergio Perez, que está com coronavírus, Nico Hulkenberg decepcionou e vai largar apenas em 13º com a Racing Point, que demonstrou ser o terceiro melhor carro do grid neste final de semana.

A largada para a quarta etapa da temporada será às 10h10 da manhã, pelo horário de Brasília. Hamilton lidera o campeonato com cinco pontos de vantagem para Bottas.
Q1

Leia também:   Bottas lidera primeiro treino livre do GP dos 70 anos em Silverstone

Desde a primeira parte da classificação, a pista parecia estar escorregadia, especialmente nas curvas 3 e 4, e vários pilotos demonstraram dificuldades de segurar o carro na pista. Foi o caso de Lando Norris, da McLaren, mas o piloto da casa conseguiu ficar longe dos muros e passou com tranquilidade para a segunda parte da classificação.

A disputa para ver quem conseguia fugir das últimas posições do grid ficou, como nas primeiras etapas, entre as Williams e as duas clientes da Ferrari, Haas e Alfa Romeo, sofrendo na pista de alta velocidade com a falta de potência do motor Ferrari, que teria 40cv a menos que as Mercedes.

A última posição ficou com Nicholas Latifi, que já tinha o pior tempo quando rodou em sua volta final. Isso atrapalhou as voltas de alguns pilotos ao trazer uma bandeira amarela, e seu companheiro George Russell acabou sendo investigado por não diminuir a velocidade, e pode ser punido. Ele terminou o Q1 em 13º. E os eliminados foram Kevin Magnussen, da Haas, Antonio Giovinazzi e Kimi Raikkonen, da Alfa Romeo, e Romain Grosjean, também da Haas, além de Latifi.
Q2

Com os pneus macios se desgastando muito rapidamente, os pilotos da Mercedes, Red Bull, Racing Point e Leclerc buscaram passar para o Q3 com os compostos médios e, assim, largar com eles no domingo. Isso porque a regra obriga os pilotos que se classificarem no top 10 a largarem com os pneus com os quais fizeram as melhores voltas na segunda parte da classificação.

Leia também:   Bottas conquista a pole position do GP dos 70 anos da F1; Hamilton larga em 2º

A segunda parte da classificação começou com um susto para Hamilton, que rodou e acabou com seu primeiro jogo de pneus médio. A rodada foi no mesmo lugar em que Latifi perdeu o carro e a sessão foi interrompida para que a pista fosse limpa. Isso gerou um drama para Hamilton: se ele colocasse o pneu macio, passaria facilmente para o Q3, mas teria que largar com um pneu pior na corrida. Ou teria que arriscar tentar passar com o pneu médio mesmo com margens de tempo pequenas entre os carros neste final de semana. Mesmo com a diferença entre um composto e outro sendo de cerca de 0s8, o hexacampeão voltou à pista com os pneus mais lentos e fez o segundo tempo, assegurando sua posição na última parte do classificatório.

Nos minutos finais, Vettel se juntou ao grupo de pilotos que tentavam passar com os médios para o Q3, mas não melhorou seu tempo. Ainda assim, ele conseguiu se manter no top 10, uma vez que Alex Albon não conseguiu passar com a Red Bull. O tailandês bateu na sexta-feira e teve problemas no último treino livre antes da classificação. Outro piloto que decepcionou foi Nico Hulkenberg: substituindo Sergio Perez, que está com coronavírus, o alemão não conseguiu passar para o Q3 com o terceiro melhor carro do grid, e vai largar em 13º. Pierre Gasly colocou a AlphaTauri em 11º, Albon larga em 12º, Daniil Kvyat se classificou em 14º, mas perde cinco posições no grid por ter trocado o câmbio, e Russell fez o 15º tempo.

Leia também:   Bottas conquista a pole position do GP dos 70 anos da F1; Hamilton larga em 2º

Confira o grid de largada para o GP da Grã-Bretanha:
1º Lewis Hamilton (ING/Mercedes) – 1min24s303
2º Valtteri Bottas (FIN/Mercedes) – 1min24s616
3º Max Verstappen (HOL/Red Bull) – 1min25s325
4º Charles Leclerc (MON/Ferrari) – 1min25s427
5º Lando Norris (ING/McLaren) – 1min25s782
6º Lance Stroll – (CAN/Racing Point) 1min25s839
7º Carlos Sainz (ESP/McLaren) – 1min25s965
8º Daniel Ricciardo (AUS/Renault) – 1min26s009
9º Esteban Ocon (FRA/Renault) – 1min26s209
10º Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) – 1min26s339
11º Pierre Gasly (FRA/AlphaTauri) – 1min26s501
12º Alex Albon – (TAI/Red Bull) 1min26s545
13º Nico Hulkenberg (ALE/Racing Point) – 1min26s566
14º George Russell (ING/Williams) – 1min27s092
15º Kevin Magnussen (DIN/Haas) – 1min27s158
16º Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo) – 1min27s164
17º Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo) – 1min27s366
18º Romain Grosjean (FRA/Haas) – 1min27s643
19º Daniil Kvyat (RUS/AlphaTauri) – 1min26s744 (perdeu 5 posições por troca de câmbio)
20º Nicholas Latifi (CAN/Williams) – 1min27s705

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here