Quando o torcedor de um time passa a torcer por outro, dizem que ele virou casaca. O termo consagrado no vocabulário esportivo é uma expressão antiga. E foi justamente isso que fez Giovane Andrelino, que está prestes a completar 55 anos e mais do que nunca sabe bem o quer: “Dormi com a camisa do Vasco e acordei flamenguista”, enfatiza.

Apesar da rivalidade histórica entre os dois clubes cariocas, ele conta que a decisão aconteceu há quase três anos, antes mesmo da época gloriosa mais recente do Mengão, que tinha como técnico o português Jorge Jesus.

Decidido a mudar de time, ela afirma que sempre lutou, sem medo, pelas causas coletivas e sabe que pode fazer o mesmo quando o assunto são os objetivos pessoais.

Giggio, como é conhecido, é natural de Nova Venécia, radicado em São Mateus há mais de 50 anos, pai de três filhos e, atualmente, torcedor rubro-negro “feliz”.

Em entrevista à Rede TC de Comunicações, ele fez questão de destacar as alegrias que viveu enquanto torcedor do Vasco e diz que ainda guarda todo o respeito ao time de São Januário. “Eu tive muitas alegrias e chorava quando o Vasco perdia. Só nunca queimei camisa, isso aí jamais (risos). A gente tem que ter respeito pelo time” – afirma.

Leia também:   Flamengo arranca empate com Athletico-PR na Arena da Baixada

Como todo torcedor apaixonado, Giggio lembra que sofria por antecedência todas as vezes que o Vasco enfrentava o Flamengo por entender que isso acontecia porque “Flamengo sempre é Flamengo né”?

 

Ele afirma que a mudança de cores não foi gradativa e aconteceu de maneira repentina. “Eu deitei com a camisa do Vasco e não era dia de jogo, nem nada. Eu não sei se eu tive uma visão, alguma coisa. Levantei no outro dia e comprei a primeira camisa do Flamengo que eu vi”.

 

TORCIDA ACOLHEDORA

Giovane ressalta que foi muito bem acolhido pelos flamenguistas, já que a mudança se deu “por amor ao time”. No entanto, as críticas também vieram e perpetuam até hoje. “Recebi e recebo muitas críticas dos vascaínos. Perdi amigos que não concordam comigo. Mas estou com 55 anos, sei muito bem o que eu quero” – afirma.

Leia também:   Nova concessão do Maracanã força união de Flamengo, Fluminense e Vasco

 

PÉ QUENTE

Pé quente, Giggio já coleciona muitos títulos após tornar-se torcedor do Urubu e afirma estar satisfeito com a escolha. “É um prazer ser flamenguista”. Aos vascaínos que também desejam trocar de time, ele mandou um recado: “Parem de sofrer, continuem respeitando o time do Vasco. Eu não sofro mais!”

E ainda reforçou: “Façam igual a mim, Giovane Andrelino, 55 anos de idade, flamenguista de coração”.

 

FLAMENGO X VASCO

Nos últimos três anos, período em que Giggio trocou o Vasco pelo Flamengo, o rubro-negro carioca conquistou os títulos da Florida Cup, Taça Rio, Carioca, Brasileiro e Libertadores (em 2019), Taça Guanabara, Supercopa do Brasil, Recopa Sul-Americana, Carioca e Brasileiro (em 2020 –o título nacional de 2020 foi conquistado em 2021 por conta da pandemia do novo coronavírus) e Supercopa do Brasil, Taça Guanabara e Carioca (em 2021). Ou seja, quase tudo que disputou.

Já o Vasco, nos últimos três anos, conquistou a Taça Guanabara em 2019 e a Taça Rio em 2021, além de amargar o quarto rebaixamento para a Série B de sua história.

Leia também:   CBF libera a presença da torcida visitante em jogos

 

Foto do destaque: Divulgação

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here