SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Brasil registrou 2.344 novas mortes por Covid-19 e 89.802 novos casos da doença nesta quinta-feira (10). Com isso, o total de mortes no país chegou a 482.135 e o de casos a 17.215.159 desde o início da pandemia.

A média móvel de mortes ficou em 1.764 óbitos por dia -o número está há 139 dias acima de mil mortes diárias, considerado um patamar bastante alto.

A média é um instrumento estatístico que busca amenizar variações nos dados, como os que costumam acontecer aos finais de semana e feriados. O dado é calculado pela soma das mortes dos últimos sete dias e pela divisão do resultado por sete.

Foram atualizados os dados da vacinação contra a Covid-19 no Distrito Federal e em 23 estados.
O Brasil aplicou 1.046.672 doses de vacinas contra Covid-19 nesta quinta-feira (10).
Segundo dados das secretarias estaduais de saúde, foram aplicadas 944.016 da primeira e 102.656 da segunda dose.

No total, 52.790.945 pessoas receberam pelo menos uma dose da vacina contra a Covid no país -23.520.981 delas já receberam a segunda dose do imunizante.
Especialistas alertam que cuidados básicos como uso de máscara, distanciamento social e higiene das mãos devem ser mantidos mesmo após a aplicação das duas doses do imunizante, uma vez que nenhuma vacina garante 100% de proteção contra a doença.

Leia também:   Butantan volta a ganhar ritmo e entrega mais 1 milhão de doses da Coronavac ao Ministério da Saúde

Dados da pesquisa na cidade de Serrana, no interior de SP, indicam que uma retomada mais segura da vida normal deve ser feita quando pelo menos 60% de toda a população estiver imunizada, ou pelo menos 75% da população adulta. A cidade viu uma queda de 95% no número de óbitos após ter alcançado mais de 95% da população adulta completamente imunizada.

Com os dados vacinais desta terça, 32,81% da população com mais de 18 anos recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid e 14,62% recebeu a segunda.
Os dados do país, coletados até às 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Leia também:   Câmara autoriza laboratório veterinário a produzir vacina para covid

 

Foto do destaque: Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here