O Serviço Social da Indústria do Espírito Santo (Sesi-ES) iniciou neste mês de abril a aplicação da vacina contra a gripe em colaboradores da indústria e dependentes, e para trabalhadores de outras empresas. Os colaboradores da Federação das Indústrias do Espírito Santo e entidades também serão vacinados. A expectativa é que mais de 25 mil doses sejam aplicadas no primeiro semestre deste ano.

“A prevenção ainda é o melhor remédio e manter a saúde em dia é fundamental para a qualidade de vida. O Sesi tem um importante papel nesse reforço de prezar pela vida das pessoas por meio de campanhas de promoção à saúde” – destaca a assessoria do Serviço.

A adesão para a Campanha de Vacinação teve início em fevereiro e os profissionais da indústria e de empresas industriais filiadas à Sindicatos patronais ou à Findes receberam desconto no valor. Até o momento, mais de 100 empresas já adquiriram as doses, e o intuito é vacinar mais de 15 mil profissionais da indústria até maio.

“Anualmente, a gripe afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Seus impactos vão desde a diminuição na qualidade de vida dos cidadãos até o desenvolvimento de doenças mais severas. Nesse sentido, a gripe gera também impactos socioeconômicos nos sistemas produtivos. A vacinação contra a gripe contribui para a redução dos seus impactos nos âmbitos econômico e social, pois preserva a saúde de seus trabalhadores e garante um ambiente de trabalho saudável, seguro e produtivo”, diz o gerente executivo de Saúde e Segurança do Sesi ES, Flávio Gustavo Rodrigues.

Leia também:   Variante do coronavírus encontrada na Índia é de 'preocupação global', diz OMS

A campanha de prevenção contra a gripe contribui para diminuir a incidência de casos de Influenza e também facilita o diagnóstico diferenciado para o novo coronavírus. A imunização é feita com a dose quadrivalente e protege contra os quatro subtipos diferentes de cepas do vírus (H1N1, H3N2, linhagem B/Victoria e linhagem B/Yamagata).

 

Vacinação da gripe no cenário de pandemia.

No contexto da pandemia da Covid-19 a imunização se faz ainda mais necessária. “Apesar da vacina não imunizar contra o Coronavírus, ela ajuda no diagnóstico da doença. Isso porque, com sintomas parecidos, se os trabalhadores estiverem vacinados contra a gripe, os profissionais da saúde poderão descartar a hipótese da doença e focar na possibilidade de ser a Covid-19, tornando mais rápido o início do tratamento”, pontua Flávio.

Vale ressaltar que é preciso aguardar um intervalo mínimo de 14 dias para administração entre as vacinas Covid-19 e as diferentes vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, conforme Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19. O colaborador não ficará sem vacinar contra a gripe, apenas precisará aguardar o intervalo necessário para receber em outro momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here