. Saúde em estado terminal

“Só Deus!”. O comentário é de uma atendente do Pronto-Socorro do Hospital Roberto Silvares, que funciona no prédio construído para ser a UPA 24 horas de São Mateus, ao verificar o sofrimento das pessoas que chegam ao local em busca de um último alívio para aplacar as suas dores. O local atende a pacientes com classificação de urgência, ou seja, que não correm risco de morte eminente. Os casos de emergência, com risco de morte, são atendidos no Hospital Roberto Silvares. O problema é a falta de profissionais em ambos os locais. Na UPA, por exemplo, além de apenas um médico fazer o atendimento nos plantões, na quinta-feira (5) a unidade estava fechada porque não havia nenhum médico. A justificativa de uma funcionária é que o médico que fazia o atendimento na quinta faleceu recentemente e outro profissional ainda não havia sido contratado para ocupar o lugar dele.

. Sem atendimento

Enquanto isso, as pessoas que buscavam atendimento no Hospital Roberto Silvares na quinta-feira (5) não conseguiram ser atendidas. De acordo com uma funcionária que faz a triagem dos pacientes, apenas um clínico geral fazia o atendimento na quinta e a prioridade era para os casos de emergência. Desta forma, pacientes classificados com a pulseira laranja, de urgência, ou aguardavam indefinidamente pelo atendimento, ou procuravam outros locais, como postos de saúde dos bairros, farmácias ou retornava para casa. Uma funcionária comentou que um paciente, que já havia convulsionado três vezes nos corredores do hospital, não conseguiu atendimento e teve que voltar para casa sem atendimento.

Leia também:   INFORME TC – por Claudio Caterinque • Edição 6.423

. Estrutura precarizada

Além da falta de profissionais, as duas unidades ainda penam com a precariedade de materiais e estrutura mínima para os pacientes. Por exemplo, no Pronto-Socorro que funciona no prédio da UPA 24 horas, apesar de haver um equipamento de emissão de senha eletrônica, nesta semana, com defeito, as senhas tiveram que ser emitidas de forma manual. No Hospital Roberto Silvares, os pacientes não contam sequer com copo descartável para saciar a sede. Água tem.

. Araçá agradece à TC

Representando o Centro Cultural Araçá, a presidente Maria da Penha Rocha Santos visitou a Rede TC na manhã desta sexta-feira (6), acompanhada da voluntária Flaviane Lopes, para entregar uma homenagem ao Diretor Geral Márcio Castro. A homenagem trata-se de uma comenda dos 25 anos do Centro Cultural Araçá, “pelos relevantes serviços prestados pelo jornal Tribuna do Cricaré em prol das Instituições Sociais de São Mateus”. Penha e Flaviane foram recebidas pela assistente Sandreane Costa.

. Eleições na Findes

Em meio às articulações empresariais e sindicais, o pré-candidato a presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Egídio Malanquini, tem o apoio garantido do presidente emérito Marcos Guerra, industrial de Colatina que exerceu dois mandatos consecutivos na Instituição (2011-2014 e 2014-2017). A eleição será realizada em abril de 2020. Com poucos meses para as eleições, Malanquini tem visitado todos os sindicatos filiados ao Sistema Findes, inclusive os que ainda não votam, pois acredita que a entidade tem que representar e trabalhar para todos, sem distinção.

Leia também:   Dois mortos e três feridos em colisão de dois carros em Braço do Rio

. Carne de frango

Com o aumento no valor da carne vermelha nos supermercados, a alternativa do consumidor é optar pela carne suína, de frango ou ovos. No entanto, como a procura por esses produtos tem aumentado, o consumidor já começa a perceber também a alta nos preços. Uma saída é a famosa galinha do pé-seco, vendida principalmente nas feiras do Município. Inclusive há quem diga que houve até fila para garantir três galinhas por R$ 13 na feira do Bairro Vila Nova.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here