SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O corpo da menina Emanuelle Pestana de Castro, 8, foi encontrado na noite de segunda-feira (13) em um canavial na Fazenda Santana Nova, em Chavantes, cidade localizada a 379 km de São Paulo. Ela estava desaparecida desde o final da tarde de sexta-feira (10), após sair para brincar em uma praça perto de sua casa, no bairro Três Cantos.

O desaparecimento mobilizou a cidade de 12 mil habitantes. Grupos de moradores se organizaram para tentar localizar a criança e o caso ganhou repercussão nacional. Uma equipe de voluntários de Marília, na região, também participou das buscas ao lado dos policiais.

O mistério foi resolvido no início desta semana após a prisão de Agnaldo Guilherme Assunção, vizinho da família de Emanuelle. Segundo informações da Polícia Civil, ele confessou a morte da criança a facadas e mostrou onde o corpo estava enterrado.

Equipes da polícia precisaram usar um trator para ter acesso ao local em que o corpo estava parcialmente enterrado. Por causa da chuva dos últimos dias, carros da polícia atolaram na lama e foram resgatados.

Leia também:   Em clássico contra o Santos, São Paulo tenta evitar sequência ruim do 1º turno

Uma multidão acompanhou, nas ruas de terra ao redor do canavial, as buscas da polícia pelo corpo de Emanuelle. Mais cedo, quando o nome do acusado apareceu como suspeito, a polícia precisou intervir para que ele não fosse linchado.

Em seu depoimento, Assunção contou que levou a criança de bicicleta até o matagal entre Chavantes e Canitar, cometeu o crime e enterrou parte do corpo -as pernas ficaram para fora. Ele disse à polícia que decidiu matar a menina após uma briga entre familiares dele e de Emanuelle. Também contou que convenceu a criança a ir até a área rural dizendo que colheriam mangas para presentear a mãe dela.

Durante o período das buscas, imagens de câmeras de segurança foram recolhidas e mostraram a menina a caminho da praça e depois brincando no local. O acusado também aparece em imagens nos arredores da praça.

Agnaldo foi levado para a Cadeia Pública da região e o corpo de Emanuelle para o IML (Instituto Médico Legal).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here