GABRIEL CARNEIRO

SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) – A série documental “Neymar: O Caos Perfeito” -que a Netflix lança nesta terça-feira (25)- dedica quase um capítulo inteiro de seus três à relação entre o jogador e a seleção brasileira. Uma das declarações de mais impacto do camisa 10 na produção é o tratamento de um título de Copa do Mundo como “obsessão” da carreira. “Meu sonho é ser campeão da Copa do Mundo”, diz ele.

Neymar terá 30 anos no Mundial do Qatar, que será disputado entre novembro e dezembro deste ano. Ele já declarou que há chances de ser sua última Copa, mas a preparação para tentar alcançar esta grande meta de título é motivo de preocupação tanto para o jogador, quanto para a seleção. É que desde a Copa do Mundo da Rússia que Neymar é desfalque frequente da Amarelinha.

Este período entre Copas é chamado de ciclo no futebol. E o ciclo de Neymar para o Mundial do Qatar está próximo de 40% de ausência nos jogos que a seleção brasileira disputou, entre amistosos, Copa América (duas edições) e Eliminatórias. Foram 42 partidas neste período e o meia-atacante esteve em campo em 26, o equivalente a 62%.

Leia também:   Santos busca classificação na Sul-Americana contra o Banfield
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Nos próximos dias 27 e 1º, o Brasil entra em campo para enfrentar Equador e Paraguai e Neymar não está convocado por causa de uma lesão de ligamentos no tornozelo esquerdo -ele deve voltar a jogar só no dia 15 de fevereiro pelo Paris Saint-Germain. Assim, a porcentagem de ausências de Neymar no ciclo do Qatar chegará a quase 41% do total, próximo da metade.

Está certo que Neymar faz a diferença quando joga. Ele é o maior artilheiro (13 gols) e também quem mais dá passes para gols (19 assistências) neste ciclo, o que significa que participa de mais de uma jogada de gol por jogo. Apesar dos números, o desejo de Tite era contar mais vezes com Neymar à disposição para armar diferentes estratégias, ainda mais no contexto da ascensão de Vinicius Júnior, Lucas Paquetá e Raphinha na seleção, o que exige do camisa 10 que jogue centralizado e não como ponta.

A seleção brasileira tem previstos mais sete jogos antes da convocação para a Copa do Mundo, em outubro. São duas rodadas finais das Eliminatórias e cinco amistosos.

Leia também:   Copa do Brasil: Atlético-MG derrota Brasiliense e está nas oitavas

SELEÇÃO RETRATADA COM TRAUMA
As edições de 2014 e 2018 da Copa do Mundo aparecem na série “Neymar: O Caos Perfeito” como traumas na carreira do atacante. A primeira foi interrompida antecipadamente por causa da entrada de Juan Zúñiga aos 42 minutos do segundo tempo do jogo contra a Colômbia, pelas quartas de final. O lance tirou o camisa 10 da semifinal contra a Alemanha e também da disputa pelo terceiro lugar.

Na série, Neymar recorda o lance com uma frase forte: “Eu não conseguia me virar e comecei a chorar”. Em seguida, ele revela como foi o momento em que soube que seria cortado da competição:
“O médico veio falar comigo: ‘tenho duas notícias pra te dar, uma boa e uma ruim, qual tu quer primeiro?’ Fala a ruim. ‘Ah, a ruim é que tu tá fora da Copa do Mundo’. Ué, qual que é a boa? ‘A boa é que se fosse dois centímetros pro lado tu não andava mais'”, relembra Neymar, que disse não ter acreditado no 7 a 1 da semifinal: “Quando acabou o jogo eu só chorava.”

Leia também:   Flamengo derrota Universidad Católica e se classifica na Libertadores

Já a Copa do Mundo de 2018 é retratada como “uma das derrotas mais doloridas que eu tive”, segundo as palavras de Neymar. Foi lá que a fama de cai-cai se espalhou e ele virou piada internacional. A série, inclusive, exibe muitos dos memes que circularam na internet na ocasião. O camisa 10 da seleção diz que jogou a partida de quartas de final contra a Bélgica, quando o Brasil foi eliminado, com dores nas costas.

Neymar é o segundo maior artilheiro da história da seleção brasileira com 70 gols em 116 jogos. Pelé lidera a lista com 95, mas a Fifa contabiliza 77.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here