Veterinários entrevistados pela Rede TC defendem que seja implantado, com urgência, um centro de zoonoses no Município. Eles também fazem uma avaliação positiva do projeto de lei aprovado pelo Plenário do Senado que modifica o tratamento jurídico dado aos animais, que sempre foram considerados, pelo Direito, como coisa. Veterinária na loja Bicho Mania, Isabela Farias disse concordar com alguns pontos do projeto, e que um dispositivo legal, que conscientiza as pessoas a cuidarem mais dos animais é sempre bem-vindo.

Isabela: “Induz mais responsabilidade, diminui o abandono”

Ela frisa que tratar o animal não como mercadoria, aumenta ainda mais o amor que as pessoas sentem por eles. “É uma coisa boa. Não vejo como coisa ruim. Pode ajudar a diminuir a quantidade de pessoas que adotam e não pensam no futuro. Induz mais responsabilidade, diminui o abandono” – afirma Isabela. A veterinária orienta ainda as pessoas a sempre colocarem água e ração, “quem tiver condições”, disponível para os animais de rua, enquanto a Prefeitura não resolve este problema com um centro de zoonoses, por exemplo.

Leia também:   Audiência determina próximos passos para o desmembramento do licenciamento ambiental na BR-101

Já a veterinária Sabrina Castiglioni, que atua na loja Pet Norte, afirma que o projeto de lei representa um marco na medicina veterinária. “Sabemos que os animais entendem, sentem falta, ficam com depressão. Essa nova legislação faz com que eles sejam tratados juridicamente como deve ser, com ser vivo, e não objeto” – avalia.

Ela aponta ainda que algumas pessoas tratam os animais como membros da família e há até briga judicial pela guarda dos bichos. “Os meus, eu trato como filhos”, enfatiza a veterinária que possui quatro “filhas”: Ranna, Emily, Clara e Malú. Sabrina diz ainda que, neste vínculo familiar, alguns animais em casa servem até mesmo como uma espécie de terapia para as pessoas, que quando se vêm na impossibilidade de terem filhos, adotam cachorros e gatos.

A veterinária afirma também que os abrigos em São Mateus, como a Vipa, que recolhem animais errantes não dão conta e que é necessário que a Prefeitura ofereça o serviço de recolhimento, vacinação, castração. “Aqui, em São Mateus, deveria ter o centro de zoonoses. Esses animais também precisam do poder público”.

Leia também:   Polícia Ambiental fecha primeiro semestre com mais de 500 animais resgatados

São Mateus–ES

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here