Por Redação O Estado de S. Paulo, São Paulo, (Estadão Conteúdo) – A porta-voz diplomática da Rússia condenou nesta sexta-feira, 12, o bombardeio do Iêmen pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido contra os rebeldes Houthi, uma ação que o país afirma levar a uma “escalada” e tem “objetivos destrutivos”. País pediu reunião no Conselho de Segurança da ONU

 

“Os bombardeios dos EUA no Iêmen são um novo exemplo da distorção dos anglo-saxões das resoluções do Conselho de Segurança da ONU e do total desrespeito ao direito internacional, em nome de uma escalada na região para atingir seus objetivos destrutivos”, disse Maria Zakharova, representante oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa no Telegram.

 

Pelo menos cinco pessoas morreram e seis ficaram feridas nos bombardeios dos EUA e do Reino Unido, informou o porta-voz militar do movimento. “Esses ataques mataram cinco mártires e feriram outros seis membros de nossas forças armadas”, disse Yahya Saree na rede social X, acrescentando que houve 73 bombardeios em vários setores, incluindo a capital Sana’a e Hodeida.

 

O Ministério das Relações Exteriores do Irã também condenou os ataques e disse que se tratava de uma “ação arbitrária” e uma “violação” do direito internacional.

 

Os rebeldes Houthi, que controlam parte do Iêmen e são apoiados por Teerã, lançaram vários ataques a navios no Mar Vermelho desde novembro para demonstrar solidariedade aos palestinos em Gaza.

 

Os Houthi disseram que continuarão a atacar navios no Mar Vermelho que estejam ligados a Israel. “Não há justificativa para essa agressão contra o Iêmen, pois não havia perigo para a navegação internacional no Mar Vermelho e no Mar da Arábia”, disse Mohamed Abdelsalam, porta-voz dos houthis, um movimento apoiado pelo Irã, no X (antigo Twitter).

 

Ele também garantiu que os insurgentes continuarão a realizar ataques, em apoio aos palestinos na Faixa de Gaza, contra contrabandistas ligados a Israel ou contra qualquer embarcação que se dirija a um porto israelense.

 

“O Iêmen continua com sua postura religiosa e humana e apoiará Gaza com tudo o que puder. Essa agressão dá mais resiliência e força”, disse Abdelsalam, enquanto Mohamed Ali al-Huti, membro do gabinete político Houthi, chamou o bombardeio americano e britânico de suas posições no Iêmen de “bárbaro e terrorista” na mesma plataforma, uma ação que ele justificou como sendo realizada para reduzir a tensão no Mar Vermelho.

 

“É uma agressão deliberada e injustificada (…) Com esses ataques, eles estão afirmando que são eles que estão gerenciando a agressão contra Gaza, bem como contra o Iêmen”, disse o líder insurgente.

 

Ele disse que a resposta dos EUA e do Reino Unido vem “em um momento em que o mundo está tentando parar o genocídio em Gaza”, referindo-se ao processo movido pela África do Sul contra Israel no Tribunal Internacional de Justiça (ICJ) em Haia. Como outros líderes rebeldes já fizeram, Al-Huti alertou que o bombardeio do Iêmen “não passará despercebido” e será respondido.

 

Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Bahrein, Canadá, Holanda, Dinamarca, Alemanha, Nova Zelândia e Coreia do Sul emitiram uma declaração conjunta na qual enfatizaram que a ação era em defesa do comércio internacional e daqueles que transitam pelo Mar Vermelho, por onde passam quase 15% do comércio marítimo global.

 

“As ações de hoje demonstram um compromisso compartilhado com a liberdade de navegação, o comércio internacional e a defesa da vida dos marítimos contra-ataques ilegais e injustificáveis”, disseram os países na declaração conjunta.

 

Após o bombardeio do Iêmen, os houthis declararam “guerra aberta” contra os Estados Unidos e o Reino Unido e alegaram ter lançado uma barragem de mísseis contra seus navios de guerra no Mar Vermelho.

 

Ainda na noite de quinta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, chamou os ataques de uma “mensagem clara de que os Estados Unidos e nossos parceiros não tolerarão ataques ao nosso pessoal nem permitirão que agentes hostis coloquem em risco a liberdade de navegação em uma das rotas comerciais mais importantes do mundo”.

 

Os ataques liderados pelos EUA sinalizaram uma mudança de rumo para o governo Biden, que há semanas não queria tomar medidas que pudessem envolver os Estados Unidos, um firme defensor de Israel, em uma guerra mais ampla na região. (Com agências internacionais).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here