Em nota da Gerência de Imprensa, a Petrobras disse que considera o atual movimento grevista em algumas unidades injustificado. “O ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) foi assinado por todos os sindicatos em novembro de 2019 e as negociações previstas estão seguindo curso normal. Por tanto, os motivos alegados não atendem aos critérios legais” – afirma a estatal.

Foto: Wellington Prado/TC Digital

A greve nacional foi deflagrada no dia 1º com a Federação Única dos Petroleiros (FUP) alegando que o motivo foi a decisão de fechamento da fábrica de fertilizantes no Paraná, com demissão de trabalhadores, sem negociação com o sindicato. A FUP diz que a decisão descumpre o ACT.

Na nota enviada à Rede TC na tarde desta segunda-feira (3), a Petrobras afirma que respeita as negociações coletivas e o diálogo nas relações trabalhistas, “quando preenchidos todos os requisitos definidos na legislação”. A estatal reitera que a companhia considera “descabidas as justificativas apresentadas pelos sindicatos”, sustentando que cumpre o Acordo Coletivo de Trabalho.

“Considerando que as atividades da companhia são serviços essenciais para a sociedade, conforme parâmetros da legislação, é dever da Petrobras, de seus empregados e, também, das entidades sindicais garantir que a produção siga ocorrendo, em condições seguras, nas nossas unidades”, ressalta a Petrobras.

Leia também:   MPF entra com Ação Civil Pública pelo fim de bloqueio de acesso à Ufes

Neste sentido, a estatal adianta que as unidades operacionais seguem operando em todo o Brasil, com acionamento de equipes de contingência quando necessário. A empresa afirma ainda que buscará a Justiça para garantir o acesso normal às unidades e aos revezamentos de turnos.

A Rede TC questionou também sobre a decisão da estatal de fechar a Base 61, mas não obteve resposta da Petrobras.

Leia mais: Petroleiros prometem bloqueio em área operacional nesta terça

Leia mais: Daniel diz a petroleiros que apresenta reivindicações ao governador nesta terça

1 COMENTÁRIO

  1. Injustifica’vel é a destruição da indústria do petróleo com fertilizantes do Brasil. Bens industriais, engenharia, empregos, serviços trocados por custosas importações em dólar especulado. Bolsonaro traidor a nos conduzir subdesenvolvidos pré 1964. Custo Brasil aumenta, agronegócio caro e sem competitividade. Yankees aplaudem. A FIESP da China e a CNI da China, idem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here