Três projetos científicos que serão desenvolvidos no Espírito Santo em colaboração com pesquisadores do Reino Unido foram selecionados para receber recursos para os estudos. Isso graças a uma chamada pública, fruto da parceria do governo britânico, por meio do Fundo Newton, com agências brasileiras de fomento à ciência. O resultado foi apresentado dia 5 e contemplou três projetos da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Os recursos para promover as cooperações no Estado serão destinados pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e são provenientes do Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia (Funcitec).

Ao todo, foram 77 propostas aprovadas em todo o País espalhadas por Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

Para o diretor-presidente da Fapes, Denio Rebello Arantes, é muito positiva a participação de especialistas do exterior em estudos desenvolvidos no Estado. “O trabalho conjunto de pesquisadores radicados em território capixaba com cientistas britânicos pode elevar a qualidade da nossa produção científica, além de promover a internacionalização do conhecimento gerado nas nossas instituições de pesquisa”, declarou.

Leia também:   Casagrande autoriza obras complementares no Estádio Kleber Andrade

A chamada pública foi lançada pelo Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), aprovando as 77 propostas dentre as 116 submetidas às fundações participantes. As cooperações serão realizadas com as UK Academies, do governo britânico, no contexto do Fundo Newton, que são formadas pela Royal Society, pela British Academy e pela Academy of Medical Sciences.

Conheça as pesquisas

O pesquisador Celso Alberto Saibel Santos, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Ufes, desenvolverá, com seu orientando de doutorado Estêvão Saleme Bissoli, o projeto sobre o impacto da intensidade e valência do olfato na qualidade da experiência numa mídia multissensorial, em cooperação com o cientista Gheorghita Ghinea, da Universidade de Brunel, em Londres.

“Buscamos desenvolver uma arquitetura computacional para incluir efeitos sensoriais, como tato e olfato. O que fazemos é pegar um conteúdo multimídia tradicional e adicionar esses efeitos para melhorar a experiência do usuário: imagina que você estivesse vendo um vídeo de uma fábrica de bombons e sentisse o cheiro de chocolate” – exemplificou.

Leia também:   Espírito Santo quer reduzir frota e ampliar uso de transporte por aplicativo

Na área de humanidades, a historiadora Érica Cristhyane Morais da Silva realizará um estudo sobre o Direito romano na Antiguidade Tardia, em cooperação com o especialista no assunto da Universidade de Edimburgo, o professor Paul Jacobus Du Plessis.

“Essa colaboração nos auxiliará no desenvolvimento da linha de pesquisa sobre direito romano, com a experiência em teoria, metodologia e conteúdo trazida por ele para trabalhar com documentações antigas sob a perspectiva da história”, explica a pesquisadora.

A ideia é que, com a vinda do convidado, sejam organizados eventos, como palestras e minicursos, voltados aos alunos das graduações e dos programas de pós-graduação em História e Direito. Segundo a professora, o vínculo com a contemporaneidade está no Código de Justiniano, do século VI, que é a base para o Direito moderno no Brasil e de outros países ocidentais.

A partir da divulgação do resultado da chamada, pesquisadores da Ufes poderão trabalhar novamente com o especialista em ferrovias Marin Marinov, da Aston University. É o que garantiu a professora Marta Monteiro da Costa Cruz, da Engenharia Civil, que coordenará a pesquisa sobre segurança nas passagens de nível em ferrovias brasileiras. “Ele é uma das referências na detenção de obstáculos ferroviários e trabalharemos juntos durante um mês aqui no Brasil”, informou. “Marinov estudou formas de fazer o trem ‘ver’ o caminho por onde passa e poder se prevenir pela detecção de obstáculos”.

Leia também:   Reencontro emocionante de irmãs após 42 anos

Pesquisas aprovadas na chamada pública Confap/CNPq/UK Academies

– “A study of the impact of olfaction intensity and valence on mulsemedia QoE.”

Celso Alberto Saibel Santos (UFES)

Gheorghita Ghinea (Brunel University)

– “Safety at Brazilian Level Crossings.”

Marta Monteiro da Costa Cruz (UFES)

Marin Marinov (Aston University)

– “Judicial Practices in Late Antiquity.”

Érica Cristhyane Morais da Silva (UFES)

Paul Jacobus Du Plessis (University of Edinburgh)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here