O objetivo do gestor ambiental Eduardo Rodrigues da Cunha, o Duzinho, com o afundamento das Plataformas de Cação no mar de Uruçuquara, é criar um local que possa servir de laboratório marinho para a comunidade acadêmica e, ao mesmo tempo, fomentar o turismo na região. Ele explicou que o local apresenta condições ideais para o que considera sustentabilidade ambiental. “O primeiro impacto ambiental, com a instalação da plataforma, foi negativo. Agora temos a chance de um impacto positivo com o afundamento da estrutura” – detalhou.

De acordo com Duzinho, a criação de um sistema de recifes artificiais no litoral mateense tem o intuito também de criar uma espécie de refúgio da vida marinha e permitir a geração de emprego e renda na região. “Só tem benefícios. Pode-se criar um novo mercado com aluguel de equipamentos, de embarcações para a exploração turística, aumentar a vida marinha e a renda de pescadores” – defende.

Duzinho disse ainda que, numa consulta ao diretor-presidente da Petrocity, José Roberto Barbosa da Silva, do Complexo Portuário de São Mateus, obteve como resposta que o afundamento da plataforma não interfere no empreendimento. “Ele disse que não atrapalha em nada, até porque a plataforma está a 4.800 metros ao sul do local onde está projetado a construção do porto, a seis quilômetros da costa e onde tem uma profundidade de 20 metros”, complementou.

Leia também:   Malas prontas e mente aberta ao conhecimento: professora de São Mateus está com tudo preparado para embarcar para intercâmbio nos EUA

 

Subsecretário de Meio Ambiente vê viabilidade técnica da proposta

Afirmando enxergar viabilidade técnica na proposta de afundar as Plataformas de Cação no litoral mateense, o subsecretário estadual de Articulação Regional e Desenvolvimento Sustentável, da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Seama), Elber dos Reis Tesch disse à Rede TC que, “é preciso cautela, analisar todos os fatores do ponto de vista ecológico”.

Desta forma, Elber, que é biólogo, gestor ambiental e professor em Política Nacional do Meio Ambiente, afirma que é preciso levar ao governador uma análise técnica mais profunda. Ele disse que, se o governador estiver convencido dos benefícios com o afundamento das estruturas da Petrobras no litoral mateense, deve marcar uma conversa com a administração da estatal.

Elber, que é de Linhares, já integrou um grupo que defende o afundamento das estruturas. Ele propõe, ainda, uma alternativa para fomentar o turismo marinho na região. “Se não autorizar, é preciso uma estratégia bem planejada para criar um sistema de recifes artificiais, que pode ser feito em um local de maior profundidade”.

Leia também:   Analista dá dicas de como evitar golpes cibernéticos

São Mateus–ES

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here