SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O pênalti desperdiçado por Thiago Galhardo, aos 17 minutos do segundo tempo, foi um dos raros momentos de emoção do empate por 0 a 0 entre Inter e Atlético-GO. Neste sábado (28), ambos os times estiveram pouco inspirados e deixaram o campo do estádio Antônio Accioly sem gols no jogo da 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Internacional x Atlético-GO. Foto: Ricardo Duarte/Internacional.

O time gaúcho -que ficou com 10 jogadores a partir dos 23 minutos do segundo tempo, quando Rodrigo Moledo foi expulso- perdeu conexão com os primeiros lugares do Brasileiro, mas segue no G4. Com 37 pontos, ocupa o quarto lugar. Já o Atlético-GO tem 28 pontos e fica em 13º.

Na próxima quarta-feira, o Internacional encara o Boca Juniors, em jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. A partida seria na última quarta, mas foi adiada em razão da morte de Maradona. O Atlético-GO, por sua vez, voltará a atuar só na segunda-feira (7), no clássico contra o Goiás pelo Brasileirão.

O destaque da partida foi Jean. Antes de Galhardo cobrar o pênalti, o goleiro do Atlético-GO fez todo tipo de movimento possível. Foi de um lado para o outro, apontou, falou, bateu palmas. E as atitudes aparentemente mexeram com o psicológico do atacante colorado. Na batida, o goleiro acertou o lado e fez a defesa.

Leia também:   Com Everton Ribeiro pressionado, Flamengo recebe o Ceará

O Atlético-GO não ameaçou muito o Inter. Mas também não foi ameaçado. Bem posicionado defensivamente, o Dragão tirou os espaços e desabasteceu a linha ofensiva do Colorado, mas não acertou a transição ao ataque e frequentou pouco zonas de conclusão.

Quando ficou com um jogador a mais até passou a ter chances de conclusão e pressionou. Mas faltou qualidade e organização.

O Inter começou o jogo com uma nova formação, mas apresentou os velhos problemas.

Depois de repetir Coudet nos primeiros jogos e alterar para o 4-2-3-1 em seguida, Abel Braga optou por um 4-4-2 com Yuri Alberto ao lado de Galhardo na frente, e D’Alessandro na armação. Mas a inovação surtiu pouco efeito e o time seguiu lento e criando poucas jogadas de ataque.

O estádio, conhecido como “Castelo do Dragão” e chamado Antônio Accioly, recebeu sua primeira partida de Série A. Com capacidade ampliada para mais de 12 mil torcedores e iluminação melhorada, o local passou um longo período em reforma e foi reinaugurado neste sábado.

ATLÉTICO-GO
Jean; Arnaldo (Pereiras), Éder, Gilvan, Nicolas; Willian Maranhão, Matheus Vargas, Everton Felipe (Wellington Rato); Chico (Danilo Gomes), Janderson (Júnior Brandão), Zé Roberto. T.: Marcelo Cabo

Leia também:   Corinthians goleia Fluminense no Brasileiro e passa a sonhar com Libertadores

INTERNACIONAL
Marcelo Lomba; Heitor, Moledo, Cuesta, Uendel; Lindoso, Johnny (Musto), Patrick (Marcos Guilherme), D’Alessandro (Mauricio); Thiago Galhardo (Leandro Fernández), Yuri Alberto (Zé Gabriel). T.: Leomir (auxiliar)

Estádio: Antônio Accioly, em Goiânia (GO)
Juiz: Ramon Abatti Abel
Cartões amarelos: Moledo, Lindoso, Leandro Fernández (Inter); Everton Felipe (Atlético-GO)
Cartões vermelhos: Rodrigo Moledo (Inter)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here