Além dos estudos regulares na Escola Viva Marita Motta, Sarah do Carmo Brisson também complementa as aulas no Centro Estadual de Idiomas (CEI) e em casa, nos finais de semana. No CEI, as aulas acontecem uma vez por semana. Em casa, além dos vídeos, onde aprende Inglês com nativos, ela também assiste a filmes e séries no idioma, sem dublagem ou legenda, e afirma: “consigo entender muita coisa”. Além do estudo contínuo, Sarah teve que apresentar também boas notas e frequência escolar para participar do Programa de Intercâmbio Sedu 2019.

A estudante destacou ainda a força que recebeu da escola Marita Motta Santos. Foto: Divulgação

Ela frisa que já está começando a se preparar para a viagem e que tem total apoio dos pais, apesar do aperto no coração em verem a filha ir para tão longe. “É um sonho. Me dediquei muito para isso. Meus pais estão dando a maior força”. Sarah é filha da assistente social Gislanne de Oliveira do Carmo Brisson e do motorista carreteiro Ademar Brisson.

Aos demais estudantes que desejam fazer o intercâmbio, ela dá algumas dicas: “Não desistam, corram atrás mesmo porque vale a pena. Eu sempre tive muito apoio também da escola, todos têm um carinho muito grande por mim. Estudem, se esforcem. É uma chance única de fazer um intercâmbio de graça. Corram atrás dos seus sonhos!”.

Leia também:   Tomate despenca cotações nas principais Ceasas do País, segundo Conab

Sarah afirma que ainda não sabe qual o destino para onde vai. Ela prefere o Canadá. Sabe apenas que o intercâmbio é por um período de cinco meses. Ela lembra que no início do processo, havia 30 nomes uma lista apresentada pela Sedu com nomes de estudantes aptos a participarem na modalidade High School. No entanto, pouco mais de 20 conseguiram se inscrever dentro do prazo. As próximas etapas, de provas escrita e oral, apenas seis conseguiram se classificar, com ela ficando com a maior nota.
Leia também: Sarah afirma que realiza o sonho de estudar no exterior

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here