A cobertura vacinal contra o sarampo, caxumba e rubéola, a chamada tríplice viral, sofreu um impacto negativo no Espírito Santo nos últimos anos. A constatação é da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), que atribui esse triste fato à desinformação e fake news.

Diante da queda na cobertura vacinal no Estado, a Rede TC de Comunicações procurou a Sesa em busca de informações para que a pasta identificasse as causas que levaram as pessoas a abandonarem a rotina de se vacinar e imunizar os filhos.

Em resposta, a Sesa confirmou que nos últimos anos tem observado uma redução gradativa nos dados de coberturas vacinais os quais o Ministério da Saúde preconiza meta de 95%. “As metas a serem alcançadas são importantes como forma de controle de doenças já anteriormente eliminadas no território brasileiro, evitando assim a reintrodução dos vírus”, afirma.

Segundo a Sesa, os períodos críticos da pandemia da covid-19 refletiram nos dados, “em especial no ano de 2021 em que a cobertura vacinal foi fortemente impactada pela desinformação envolvendo fake news”.

Leia também:   Estádio Kleber Andrade vai receber torneio internacional de futebol Sub-20

“Além disso, as fragilidades do sistema de informação do Ministério da Saúde, o ataque hacker sofrido pelo órgão e problemas na migração dos dados de vacinação para os relatórios de cobertura vacinal também contribuíram para essa realidade” – enfatiza.

A Sesa esclarece ainda que realiza trabalhos constantes por meio do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis e Núcleo Estadual de Atenção Primária em Saúde junto aos municípios para capacitação e orientações de estratégias a fim de alcançar os índices de cobertura anualmente.

“É importante frisar que no Espírito Santo a vacinação da Campanha Nacional de Seguimento e Vacinação de Trabalhadores da Saúde contra o Sarampo foi antecipada como uma estratégia para otimizar a vacinação do público-prioritário. A campanha está acontecendo desde 23 de março para trabalhadores da saúde e de 26 de abril para crianças de seis meses a menores de cinco anos –17% deste segundo público-alvo foi imunizado até o momento” – complementa.

 

Foto do destaque: Myke Sena/MS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here