O programa de financiamento da folha de pagamento para pequenas e médias empresas foi regulamentado segunda-feira (6), entretanto, os bancos não estão operando a linha de crédito, cuja taxa de juros é de 3,75% ao ano. A constatação foi feita pelo empresário Gilmar Bachetti, da Unipel, preocupado que a medida anunciada pelo Governo Federal, em razão dos impactos econômicos do novo coronavírus, não chegou na ponta, nas agências bancárias.

Foto: Reprodução

“Era folha de março e abril e não chegou na ponta, os bancos não estão operando essa linha. Os bancos estão estendendo capital de giro, mas com juros bem mais alto, coisa de 12% ao ano” – afirmou o empresário. Ele frisa que a folha de pagamento do mês de março venceu nesta terça-feira (7).

Gilmar Bachetti salienta que as empresas estavam esperando com ansiedade que o momento chegasse e como os bancos ainda não estão operando, “a preocupação é em função do desemprego”. Ele avalia que, sem agilidade da chegada do financiamento, muitas empresas vão recorrer à redução da folha de pagamento, com as demissões para reduzir os custos.

Leia também:   São Mateus não registra novo caso de coronavírus nas últimas 24h

À princípio, Gilmar Bachetti disse que segue com a política adotada pela Unipel. “Eu ainda acho que quem pode um pouco pode ajudar quem pode menos. Sou do pensamento que o funcionário que constrói a empresa, neste momento não posso deixar o funcionário na mão”, salienta. Contudo, o empresário frisa que não sabe “o dia de amanhã”, pois não poderá manter, por exemplo, dois funcionários para comprometer o salário dos demais.

Forma da linha de crédito questionada

O empresário Gilmar Bachetti reforça que a linha de crédito regulamentada pelo Governo Federal será rodada no banco. Contudo, ele acredita que a grande maioria das micro e pequenas empresas não roda pagamento em agência bancária.

Gilmar também questiona a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, de que os acordos trabalhistas entre empregado e empregador, referentes à covid-19, tenham a participação de sindicatos. “Isso é outro entrave”, avalia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here