SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O polêmico GP de Abu Dhabi, o último da temporada passada e que lhe custou o oitavo título mundial, parece ter mesmo mexido com Lewis Hamilton. Questionado sobre o silêncio do britânico desde a fatídica corrida, o chefe da equipe Mercedes não descartou a possibilidade de aposentadoria do heptacampeão.

“Não importa qual desafio ele enfrenta, ele sabe a vida toda de que precisa responder na pista, mas é incrivelmente difícil para ele até que entenda o certo e o errado [no que aconteceu]. Leva tempo”, argumentou Toto Wolff, responsável pela Mercedes, em entrevista recente ao site austríaco Krone.

“Eu realmente espero vê-lo correr de novo. Ele é a parte mais importante de nosso esporte e seria uma incriminação a toda a Fórmula 1 se o melhor piloto decidir sair por causa de decisões ultrajantes”, afirma Toto.

Foto: instagram / @lewishamilton

A reclamação gira em torno das decisões da direção de prova da F1 no último GP da temporada de 2021. Em resumo, Hamilton tinha quatro retardatários entre o carro dele e o de Max Verstappen, e o oitavo título parecia questão de tempo, a poucas voltas do fim e um carro de segurança na pista.

Leia também:   Mercedes posta foto de Hamilton em meio a rumores de aposentadoria

No entanto, o diretor de provas Michael Masi permitiu que os retardatários ultrapassassem o britânico e saíssem dali, o que abriu caminho para a vitória e o título de Verstappen -que tinha pneus novos. Tudo está sendo investigado pela FIA, e Masi pode inclusive perder o cargo.

Desde o ocorrido Hamilton teve raras aparições públicas e nunca falou publicamente sobre a decepção com o resultado da corrida e do Mundial de Pilotos. O heptacampeão tem contrato para a temporada que começa em março, no Bahrein, mas sua permanência na F1 virou uma incógnita desde Abu Dhabi.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here