EDUARDO MOURA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em “Asterix e a Transitálica”, as estradas do Império Romano estão um caco. Trata-se do 37º livro da franquia criada por René Goscinny e Albert Uderzo, morto nesta terça (24), ao 92 anos.

Asterix e Obelix. Imagem: Divulgação

Contrariado, um senador romano anuncia uma grande corrida atravessando toda a península itálica para provar que as estradas estão boas sim –e para, de quebra, desviar a atenção de sua bufonice caricata e da corrupção.

A notícia da corrida acaba chegando à Gália e logo chama a atenção de Obelix, que convence seu amigo Asterix a participar da competição. Em Roma, a dupla se depara com o favorito da corrida, o Coronavírus.

Imagem: Divulgação

O personagem não é resultado de um exercício de futurologia e não tem nenhuma relação com a pandemia de 2020. A edição da HQ foi lançada em 2017, quando a Itália nem sonhava em ficar de quarentena.

Imagem: Divulgação

O antagonista utiliza uma máscara que pode ser entendida como uma coroa (“corona”, em italiano), mas a escolha dos nomes dos personagens costumava ser aleatória. O sufixo “us” é de praxe na HQ, é quase sempre utilizado para denominar os romanos na franquia. A única regra é o bom humor. Daí nomes como Detritus, Trolebus –há até um chamado Antivírus. Para as mulheres romanas, valiam nomes como Mozarella.

Leia também:   Bahia registra primeira morte pelo novo coronavírus

O livro não tem edição brasileira, apenas uma em português lusitano.

Albert Uderzo morreu enquanto dormia, vítima de um ataque cardíaco, sem relação com o coronavírus, de acordo com sua família.

Depois de “Astérix e a Transitálica”, foi lançada a 38ª edição da franquia, “A Filha de Vercingétorix”, em outubro do ano passado na França, que trouxe, pela primeira vez, uma protagonista feminina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here